2015

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-1

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-9

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-8

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-7

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-6

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-5

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-4

2015 chegou de forma serena.
Sem planos para festas ou para qualquer outro tipo de celebração, tudo se decidiu e combinou na última metade do último dia do ano velho. Sem pressões, sem stress, sem correrias, sem ‘tem de ser’ de qualquer tipo.

Do novo ano apenas espero o que o velho não teve tempo para me trazer (e continuação daquilo que este teve de bom). Saber que, em grande parte, consegui-lo depende de mim provoca-me alguma ansiedade mas também me permite acreditar que é possível, basta que eu consiga focar-me, disciplinar-me e trabalhar. Sem desculpas, com determinação e os pés bem assentes na terra e a cabeça focada no objectivo final. Regras de ouro: não dar passos maiores que as pernas (ser racional e pragmática em todas as decisões que tiverem de ser tomadas) e deixar que o coração (a bússola) ilumine o caminho e a meta, lá ao fundo. Parar para respirar fundo sempre que for preciso e não deixar que o ruído à minha volta me distraia. Se distrair, parar para respirar fundo e redefinir a rota. É sempre melhor parar várias vezes – as que forem precisas – por períodos de tempo reduzidos do que atalhar caminho, perder o norte e depois ter de parar durante mais tempo. Sonhar, acreditar, fazer, alcançar.

Desejo-vos um muito feliz ano novo! :)

Instagram / Facebook / Pinterest

Momentos decisivos

show-me-pretty-alentejo-em-dezembro-10

 

Sento-me hoje, dia 21 de dezembro de 2014, a esta secretária, a esta janela por onde entra esta linda luz deste fim de tarde de inverno solarengo (olá inverno, que sejas bem vindo) e percebo que sinto o mesmo que sentia quando, há muitos meses atrás, me sentava neste mesmo sítio. E percebo hoje – talvez no meu momento de maior clarividência dos últimos anos – que por vezes temos de dar uma grande volta (ou, para ser mais exacta, duas ou três) para percebermos de uma vez por todas que o caminho que andamos a percorrer não é o nosso. Por muitos ses e mas que encontremos para o justificar (porque existes muitos ses e muitos mas, é verdade), sabemos que temos de respirar fundo, como quem toma balanço para dar um grande salto, e ganhar coragem para lhe marcar o ponto final.

Sei que tenho de respirar fundo, como quem toma balanço para dar um grande salto, e ganhar coragem para lhe marcar o ponto final.

Não sei ainda como o vou fazer ou por onde vou começar, mas sei que a infelicidade é uma companhia demasiado má para se ter nesta viagem maravilhosa que é a vida. Sei que nada compensa sentirmos que, todos os dias, nos afastamos mais um pouco de quem somos e do que ainda queremos ser. Sei que, embora ainda esteja longe de acreditar no que posso conseguir fazer, tenho à minha volta pessoas que o fazem por mim e, para já, a crença delas vai ter de me servir de combustível. E, sinceramente, não consigo imaginar fonte de energia melhor do que esta.

So let’s get this party started.

Instagram / Facebook / Pinterest

Um Alentejo diferente, o meu.

O (meu) Alentejo é, muito provavelmente (e naturalmente) a personagem principal deste blog. Ou, pelo menos, a sua maior constância, o seu fio condutor, aquilo que lhe é mais transversal. Seja nas flores que colho e fotografo, no pão que amasso, nas viagens que faço, nas paisagens que partilho, nos sabores de que vos falo, ou naquilo que sinto.

Se este blog tivesse uma personalidade (que não a minha) seria este o seu nome. Porque este blog, como o (meu) Alentejo, é a minha calma, a minha alma, a minha tranquilidade, o que de mais meu (e mais eu) coloco nos meus dias. E por isso, e ainda que não o faça de forma intencional, percebo agora que há bocados desta minha terra e eterna casa em tudo o que partilho convosco. E é por isso que hoje o deixo libertar-se do implícito e o partilho abertamente. É por isso que hoje vos abro as portas da minha terra e da minha casa mais um bocadinho e vos convido a ver de mais de perto.

É por isso que hoje vos apresento o meu Alentejo.

(Gavião, um alentejo diferente)

Instagram / Facebook / Pinterest

Mastering the art of making bread

show-me-prety-making-bread

 

Do fim de semana passado, no meu Alentejo. Porque estou a levar a minha bucket list de outono muito a sério.

From last weekend, at Alentejo. Because i’m taking my fall bucket list very seriously.

Instagram / Facebook / Pinterest

Flores do Alentejo para Lisboa / Flowers from Alentejo to Lisbon

show-me-pretty-flores-do-alentejo-para-lisboa-8

Muda a estação, mudam as flores, mudam as cores do meu jardim alentejano, logo as cores que enchem as jarras da casa em Lisboa.
A última vez que fui ao alentejo o jardim estava quase completamente despido, à excepção destas flores-tipo-arbusto que se empoleiram persistentemente num dos muros da casa.

show-me-pretty-flores-do-alentejo-para-lisboa-2

Comigo trouxe um ramo pequenino. Suficiente para dar cor à casa mas não demasiado imponente, porque este tipo de flores nasceu para estar num jardim, não numa jarra (a prova é que não aguentam tempo nenhum e lá, no sítio onde pertencem, aguentam meses a fio).

show-me-pretty-flores-do-alentejo-para-lisboa-3
show-me-pretty-flores-do-alentejo-para-lisboa-1

Instagram / Facebook / Pinterest

One step closer

ecfee91f0f23e52d08fd44ded442c9ee

 

apesar de tudo há dias, momentos, em que parece que tudo acontece e se encaixa de modo a que tenhamos a sensação que a vida nos está a dizer para não desistirmos. que com paciência, persistência e foco conseguimos chegar onde queremos. dias que falam connosco e nos fazem parar para perceber que, afinal, já conseguimos muito do que queríamos. já temos todos os instrumentos de que precisávamos nas mãos. agora quase tudo depende de nós, do nosso trabalho, do nosso esforço. da consistência da nossa persistência.

 

 

(go here to find image source)

Instagram / Facebook / Pinterest

Aspiring to do what you truly love

| Aspiring to what you truly love |

era uma vez uma pessoa que toda a vida quis ser uma coisa (ou antes fazer, que eu não acredito nesta coisa redutora de sermos o que fazemos). toda a vida que é como quem diz até ter pouco mais de uma dúzia de anos que, por estúpido que seja, é a altura da vida em que nos forçam a tomar decisões destas.
por variados motivos, o verbo querer não se transformou no fazer e os planos tiveram de ser alterados. e o problema maior de toda a vida se querer fazer uma coisa e de não se conseguir (depois de várias tentativas) é ficar-se sem saber muito bem para onde seguir marcha. porque não se perde só o norte, também se perde o sul, o este, o oeste e todos os pontos de referência intermédios.
há quem tenha a sorte de encontrar outro caminho porque tentou e acertou. e há quem tente e tente e tente e não acerte.
mas o lado bom de ir tentando e tentando e tentando é que também nos vamos conhecendo melhor. não deixamos de fazer continuamente uma espécie de exercício ao contrário, que consiste em ir dizendo “(ainda) não é isto”, mas também vamos conseguindo dizer com uma certeza crescente “talvez seja isto…”. primeiro com muitas reticências, depois só com o conjuntivo, e depois (talvez) com a convicção do presente do indicativo.

as mudanças radicais nunca são fáceis. sobretudo porque, desde miúdos, nos enchem a cabeça de condicionalismos que depois temos muita dificuldade em sacudir quando percebemos que não fomos feitos para ir com a corrente.
mas quando, ainda assim, a necessidade de mudança é maior do que a dificuldade de a fazer acontecer todas as estratégias e exemplos são bem vindos. e é por isso que hoje vos mostro este vídeo, que uma pessoa muito importante da minha vida também fez questão de me mostrar. que vos sirva de força impulsionadora, se precisarem dela.

Instagram / Facebook / Pinterest

Suculentas / Succulents

show-me-pretty-succulents

A minha mãe deixou-se contaminar pela minha paixão por suculentas e esta é a sua mais recente aquisição. Não é maravilhosa?
(Se partilham o mesmo sentimento, não deixem de espreitar o board de pinterest que lhes dediquei, aqui)

My mother got caught by my passion for succulents and this is her latest acquisition. Isn’t it wonderful?
(If you share our love for these plants, you can’t miss the special board i dedicate to them on Pinterest).

Instagram / Facebook / Pinterest

Pin do dia / Pin of the day

f01f4f25caf221cabd84650d807e5c97

Pin do Dia. Clicar aqui para lhe seguir o rasto.

Porque ando com uma vontade desmesurada de fazer coisas com papel. (e se calhar também porque – a um nível muito, muito, muito insconsciente – tenho noção que caminhamos a passos largos para o natal e embrulhos giros com etiquetas giras, são sempre uma coisa m que vale a pena investir algum tempo).

Instagram / Facebook / Pinterest

Fall bucket List

show-me-pretty-fall-bucket.list

 

beber mais chá. saltar sobre as folhas sempre que possível. usar mais o meu maravilhoso sofá. fazer mais jantares com os amigos.  encher a casa de flores e folhas da estação. ler pelo menos um livro (A Trilogia de Nova Iorque, do Paul Auster, não passa vergonhosamente da página 36). ‘blogar’ com maior frequência. trabalhar mais do que sonhar (para conseguir lá chegar. aos sonhos). fotografar sempre que possível. aproveitar cada raio de sol que a estação trouxer. usar as minhas lindas galochas coral, nem que seja só por um bocadinho. fazer pão. não perder um episódio de The Walking Dead (gosto de coisas bonitas mas também gosto de zombies, fazer o quê?). encontrar um novo sítio a que chamar lar (e mudar-me para lá). focar-me, focar-me e focar-me ainda mais.

(encontrei esta brincadeira da fall bucket list enquanto passeava pelo pinterest e pensei ‘por que não?’. sou mesmo uma pessoa de listas e acho que nunca fez mal a ninguém ter meia dúzia de coisas em que se focar. desafio-vos a fazer a vossa :))

Instagram / Facebook / Pinterest

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
1 2 3 26 1 2 3 26