O meu Alentejo sabe a morangos

(i promise to write the english version later. for now, click here)

Ainda (e sempre) a propósito do Alentejo, tive a ideia de fazer uma série de cinco posts, em que tentarei fazer um retrato (literalmente, porque serão mais feitos de fotografias do que de palavras) do meu Alentejo utilizando, um de cada vez, cada um dos 5 sentidos (o 6º está implícito em todos ;) ). A ordem é arbitrária e irei fazê-los ao sabor do vento e da vontade (a mesma que me faz precisar de ir até lá volta e meia).

Decidi começar pelo paladar. E se é verdade que o meu Alentejo sabe também àquilo a que todo o Alentejo sabe (se há sítio onde se come e bebe bem, é por lá), não é menos verdade que ele tem também sabores muito especiais.

E se há coisa a que o meu Alentejo sabe, é a morangos.

Gordos, doces, muitos e sempre acabados de colher. Directamente da terra ou de maravilhosos (e fotogénicos) jardins suspensos. E ainda que, quando se entra na estufa, não se perceba logo o que lá está, se nos baixarmos à altura do filho do produtor (um menino do mais doce e traquinas que existe, de que já falei aqui antes), a coisa muda de figura.

E dá vontade, não só de não parar de fotografar mas também – e em igual proporção (ou maior, dependendo do apetite) – de começar a trincar.

A técnica de cultivo tem nome pomposo e parece que permite produzir morangos mais saudáveis, porque a probablidade de por lá aparecerem bichos a quererem provar é menor (logo, é também menor a probabilidade de ter de usar produtos para acabar com eles).

Mas aquilo que realmente importa – técnicas de cultivo à parte – é que sempre que lá vou trago uma caixa comigo. E se há fruta que por estas bandas se come com gosto e em abundância, é toda a que é vermelha até ao tutano (seja a solo, misturada com iogurtes gregos ou envolta em massa de scones prestes a entrar no forno).

Por isso não se espantem quando vos digo que nos últimos tempos, em média, têm marchado 2 a 3 kg por mês nesta casa. Nós, por cá, ficamos felizes com este número. E por lá o Júlio e a família (os produtores) também ficam com certeza.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

14 thoughts on “O meu Alentejo sabe a morangos

  1. um dia destes hei de te encomendar, pode ser? é raro encontrar morangos que me satisfaçam completamente… e estes fá-lo-ão, de certeza :) beijinhoooooooos

        1. Claro que sim. E todas as vezes que quiseres. Tudo para encheres a barriga de morangos bons e para ajudar o ‘meu’ tão-querido Joãozinho (e aos pais e avós dele) a vender ainda mais morangos :)
          (inveja!)

          1. também fico muito contente por poder ajudá-los e por encher a minha barriguinha de morangos A SÉRIO! vais ser a minha contrabandista pessoal :) hihi

            (um dia vamos as duas! – já esteve mais longe!!!!)

              1. mas eu gosto da palavra LOL

                aha i know the feeling! pensei que este dia nunca mais iria cehgar! lol

    1. são mesmo bons :)

      não me esqueci da versão em inglês, só ainda não a escrevi. ando um bocado atrapalhada estes dias e entre não actualizar de todo e actualizar só em português – e fazer as traduções daqui a uns dias – prefiro a 2ª opção. esqueci-me foi do link para a tradução automática para ir desenrascando, por isso ainda bem que perguntas ;)

  2. btw: não voltaste a fazer uma 30 minute meal? (tou a torcer por este website, n te quero a desmotivar :P)

    1. a verdade é que…não! shame on me, eu sei. a verdade é que ando a “aldrabar” um bocado no que a refeições diz respeito. já tenho a próxima refeição escolhida mas entretanto também andei a pensar numa forma mais interessante (para quem lê) de apresentar o resultado e quero já implementar isso no próximo post que fizer – que espero que não passe da próxima semana :)

      és a minha espécie-de-cheerleader digital! lol :))

  3. ai que me está a crescer água na boca… devem ser tão bons, mas tão bons esses morangos! e também eu, se há fruta que gosto, é da vermelhinha… o Alentejo “produz”, de facto, pessoas e coisas inigualáveis ;) beijo*

    1. e são :) estes e os outros, os que vêm da terra. aiás, os da terra acho que ainda conseguem ser melhores no que a sabor diz respeito. mas são ambos mesmo bons :))

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *