{ Dicas DIY } Brincos para orelhas sensíveis

Não há mulher que não goste de acessórios, é ou não é verdade? E eu não sou excepção, como já antes o disse por aqui. Os brincos estão entre os meus acessórios favoritos, especialmente no inverno, em que raramente uso pulseiras e muitas vezes não uso colares (quando uso cachecóis ou camisolas com golas altas/largas), e por esta razão sinto que posso arriscar usar uns brincos mais “arrojados”. No entanto, as minhas muy estimadas orelhas nunca partilharam deste meu gosto e fazem questão de o lembrar sempre que decido sair de casa com brincos. O que significa, basicamente, que nunca chego ao fim do dia com eles postos, tal é o rol de inflamações várias que se apoderam das ditas. Acho que sempre foi assim e nos últimos anos tem vindo a piorar. Tenho orelhas de rica (de ouro para cima as sonsas já não se queixam) mas falta-me a carteira a condizer, por isso há dias decidi improvisar: escolhi meia dúzia de pares que para aqui tenho e resolvi alterá-los por forma a conseguir usá-los.

Ora logo agora que os brincos statement estão na moda eu lá ia deixar passar a oportunidade de adquirir novos pares? Era o que faltava!

Por isso, se sofrem do mesmo mal que eu, não deixam que as vossas orelhas vos vençam e tomem nota da dica: eliminem os ganchos de enfiar na orelha e substituam-nos por molas. Só precisam disto aqui em baixo e de um bocadinho de imaginação porque, em alguns casos, pode ser necessário acrescentar mais qualquer coisa para cobrir a parte metálica das molas. Mas não se preocupem se acharem que não conseguem, uma cola boa e meia dúzia de missangas podem ser o que basta para o efeito.

Em menos de 5 minutos ficam com brincos renovados e livram-se das alergias de uma vez por todas (e a parte feia da mola fica na parte de trás da orelha, por isso ninguém vai notar a diferença). Agora a parte difícil vai ser controlarem-se na aquisição de novos pares!

Cachecóis e mais cachecóis

Neste post, escrito há uns dias atrás, pometi trazer novidades no que aos cachecóis diz respeito e, por isso, cá estou eu. Lembram-se de eu ter dito que sou apologista de que as coisas boas (como um cachecol único e quentinho a aconchegar-nos o pescoço num dia frio, como os que nos têm feito companhia nos últimos tempos e que tendem a ser cada vez mais frequentes) são ainda melhores se forem partilhadas? Por isso rapidamente concluí que melhor do que limitar-me a fazer cachecóis para mim, seria fazê-los para vocês também.

E é nesta altura que devo esclarecer que os meus cachecóis não são bem cachecóis. Ou melhor, são, mas tubulares, mais conhecidos como golas em tricot (É impressionante como até nisto o inglês soa melhor, ou digam lá que tube scarf não soa melhor que cachecol tubular ou até gola em tricot? Ah pois soa!). É que, quanto a mim, este modelo de cachecol tem duas grandes vantagens: mais facilmente se dobra e enfia numa mala e livramo-nos do inconveniente das pontas a cair/bater onde/quando não devem (vão-me dizer que nunca vos aconteceu acertar com a ponta de um cachecol em alguém ou verem-se aflitos para o segurar num dia de vento ou até, para os mais vulneráveis às leis de Murphy, ver uma ponta aterrar dentro de um prato de sopa?).

As agulhas ainda não trabalham à velocidade de cruzeiro e, por isso, ainda só consegui terminar três – estes três aqui em baixo – mas quero acreditar que o que me falta em velocidade sobra-me em dedicação, e basta quererem e são todos vossos!

São fofinhos que só eles e dão um belo presente de Natal para oferecer a uma amiga ou, quem sabe, para ficar esquecido numa das vossas gavetas ;)

Custam 13.90 (+ despesas de envio) e podem ir ter convosco bastando que o peçam enviando um email para showmepretty@gmail.com.

E agora, de volta às agulhas!

{ DIY | Acessórios } Como fazer uma clutch a partir de um individual

Numa das minhas inúmeras visitas aos senhores suecos (de quem gosto muito, como toda a gente sabe) que têm casa ali para os lados de Alfragide e de Loures (IKEA, para os mais distraídos) trouxe comigo um destes individuais. Não que estivesse a precisar de renovar o stock de têxteis de cozinha cá de casa mas porque me pareceu ter potencial para ser transformado em qualquer-coisa.

Andou por aqui uma série de tempo (não quero exagerar mas desconfio que o comprei há cerca de 2 anos), foi passando de gaveta em gaveta, de armário em armário e de cada vez que olhava para ele pensava ‘Não, ainda não é desta, amigo!’ e lá continuava ele, sozinho, encostado ao fundo de uma qualquer prateleira. Até ao dia em que, enquanto tentava meter alguma ordem à gaveta onde guardo uma série de acessórios, descobri um cinto de qualidade duvidável (daqueles que vêm às vezes com calças/vestidos, estão a ver o género?) e quando estava quase a metê-lo no lixo lembrei-me do pobre do individual. E foi assim que nasceu uma clutch.

Esta clutch. Que não só tem uma cor completamente actual (e uma das minhas favoritas) como tem a vantagem (atendendo ao dilúvio que cai lá fora) de ser impermeável. Vamos ao how to? Vamos a isto!

Dobrar aquilo que será a base (1) e a aba (2) da clutch, para efeitos de marcação, e prender com a ajuda de molas. Colocar o cinto no local onde deverá ser colado (3), envolvendo todo o individual. Prender o cinto, para não sair do sitio (4). Desdobrar o individual (5) com cuidado para que o cinto não se solte e colá-lo com cola quente ao longo de todo o comprimento (6). Consoante o tamanho do individual e do cinto poderá ser necessário fazer furos neste para que possa prender no local adequado. Quando o cinto estiver totalmente colado, simular fechar a clutch para perceber se é necessário ou não (7). Com a ajuda da máquina de costura (ou à mão, caso não tenham) coser as partes laterais da mala.

PS – Sugiro que, durante o processo, se façam acompanhar da voz desta senhora.

{ DIY | Acessórios } Como transformar uma velha t-shirt num colar

Não sei o que se passa com o tempo neste país. Há dias, quando me despedia da minha irmã (que vive actualmente em Londres) enquanto sacudia a chuva do casaco de penas à entrada da estação de King’s Cross dizia-lhe, em jeito de pirraça, que dali por umas horas estaria alegremente de t-shirt, nos trópicos. Mal sabia que ia aterrar numa Lisboa peganhenta e abafada, com os níveis de humidade nos píncaros. Talvez por isso, e porque continuo contrariada com o fim do Verão, ainda não consigo sequer pensar em cores escuras, daquelas que tipicamente habitam nos nossos roupeiros durante o Outono e o Inverno. E mesmo que não fosse este o caso, a verdade é que gosto de contrariar os dias cinzentos com apontamentos de cor. O Verão acabou-se, mas não temos necessariamente de ficar cinzentões da cabeça aos pés, certo? Certo!

E foi com esta ideia em mente que me pus a olhar de soslaio para uma t-shirt velha com dois ou três buraquinhos irritantes, daqueles que tendem a aparecer-me sempre, mais ou menos no mesmo sítio, em t-shirts de algodão (é só a mim que isto acontece?!), que andava por aqui em vias de se transformar em pano para limpar o pó. É um facto que já não a vestia, mas este fim trágico não me convencia. E foi assim que a triste e velha  t-shirt renasceu, transformando-se num alegre colar.

Como os brilhos que marcaram as tendências em jóias/bijuteria durante o Verão parecem ter vindo para ficar, juntei-lhe alguns fios de missangas brilhantes, para um resultado mais actual.

E agora, tratem de ir vasculhar o fundo das gavetas aí de casa e mãos à obra!

Material necessário:

Instruções:

Desmanchar a t-shirt (1) e eliminar todas as costuras (2), excluindo as partes mais curtas da t-shirt (como as mangas). Cortar tiras com aproximadamente 1cm de largura ao longo do lado mais comprido do tecido (3) até que este se acabe (4). Esticar, uma a uma, as tiras de tecido anteriormente cortadas (5). Não é necessário fazer muita força, apenas a suficiente para que as tiras fiquem com um aspecto tubular (6). Excluir as tiras com maiores imperfeições e com tamanho muito superior/inferior à média e seleccionar duas tiras que deverão ser cozidas uma à outra pela extremidade (o objectivo é ter uma tira com cerca do dobro do tamanho das restantes, que servirá para atar o colar ao pescoço). Cortar o fio de missangas por forma a ter vários fios com tamanho semelhante aos de tecido. Pôr de parte duas tiras de tecido para atar as extremidades (7). Juntar os fios de tecido e de missangas ao fio de maior comprimento (que deverá ficar no meio dos outros, com tecido suficiente para fora, para permitir atar ao pescoço) e prender com um elástico para facilitar o processo (8). Usar uma das duas tiras que foram postas de parte para atar os fios de tecido e missangas (9, 10). Fazer o mesmo na outra extremidade (11) e cortar as pontas para que fiquem uniformes, tendo o cuidado de não cortar a tira maior (12, 13). Fazer o mesmo na outra extremidade (14, 15, 16, 17). Acertar o comprimento das tiras que servirão para atar o colar (18).

PS – E para animar ainda mais os dias, o novo álbum destes rapazes que eu tanto estimo já toca insistentemente por aqui.

{ DIY | Acessórios } Como fazer um anel a partir de botões

Não querendo fazer generalizações (mas fazendo-as), desconfio que serão poucas as mulheres que não gostam de se adornar com um ou outro acessório. Mais ou menos extravagantes, mais ou menos alinhados com as mais recentes tendências da moda, mais ou menos coloridos, mais ou menos caros quase todas gostamos de dar vida aos nossos visuais e aos nossos dias com um anel, uma pulseira, um colar, you name it. Pois esta que vos escreve não é excepção. E se há acessório que me acompanha do verão ao inverno são os anéis. Normalmente uso apenas um, grande, e gosto de o usar no dedo indicador esquerdo (embora raramente chegue ao fim do dia com ele posto no mesmo dedo). Talvez por isso, há dias enquanto arrumava uma caixa que para aqui tenho cheia de botões e pensava no que poderia fazer com eles, a palavra anel me tenha imediatamente vindo à mente.

E assim nasceu este anel aqui em cima. Optei por cores neutras, não só porque o dia amanheceu meio cinzento por estes lados, mas porque no meio de tantos botões não tinha nenhuma cor que me apetecesse mesmo usar e assim é fácil conjugá-lo com qualquer peça de roupa. Em 10 minutos ficou feito e já foi passear comigo hoje. Querem ver como é simples?

Materiais Necessários:

Instruções:

Optei por sobrepôr dois botões. Como o cinzento tinha uma pequena saliência, cortei-a com um x-acto de modo a ficar com a superfície de colagem lisa. Com cola a quente colei os botões um ao outro e, depois, à base do anel. Apertei com força para ajudar a fixar et voilá, nasceu um anel! Convenhamos que mais fácil, é difícil ;)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...